Arquivo mensal: novembro 2008

produtos mais vendidos no natal 2007

Assim como no varejo tradicional e nos shoppings, os adeptos às compras pela Internet não pararam de clicar neste Natal e as expectativas de crescimento com relação a 2006, mais uma vez, se confirmaram.

Pelo acompanhamento que a e-bit faz do setor, era esperado que as lojas virtuais atingissem no período de 15 de novembro a 23 de dezembro um faturamento de aproximadamente R$ 1 bilhão. Entretanto esse valor foi superado e o comércio eletrônico alcançou R$ 1,081 bilhão.

Dessa maneira, enquanto as lojas de rua e os shoppings cresceram, segundo o Índice Serasa e a Alshop, 9,9% e 12% respectivamente, o e-commerce elevou suas vendas em 55% se comparado ao mesmo período do ano passado.

Entre as categorias de produtos mais vendidas, itens de alto valor agregado como Eletrônicos, Artigos de Informática e Telefonia Celular, que foram as grandes apostas de vendas para a data comemorativa, tiveram 17%, 13% e 11% de participação em volume de pedidos, ocupando o 1°, 3° e 4° lugar no ranking respectivamente. No Natal de 2006, essas mesmas categorias ocupavam o 2°, 5° e 4° lugar na tabela com participações de 15%, 8% e 9% respectivamente.

A principal mudança no ranking ocorreu com a categoria de Títulos de CD, DVD e Vídeo que ocupou durante muitos anos a 1ª colocação, passando agora ao 5° lugar com 11% das vendas.

O aumento da participação de televisores, computadores, celulares, notebooks e tocadores de MP3 no carrinho de compras do consumidor virtual sobre o total de pedidos efetuados durante o período, elevou o tíquete médio de R$ 304 para R$ 308.

Os motivos apontados pelo diretor-geral da e-bit, Pedro Guasti, para esse recorde de vendas são as facilidades oferecidas pelo canal, o constante aprimoramento da logística de entrega e a comodidade que encanta os e-consumidores.

“Produtos importados como Eletrônicos geralmente são mais baratos pela Internet, além das políticas de parcelamento e entrega no prazo que são motivadores para que os consumidores procurem, com cada vez mais freqüência, esse canal de compra”.

De acordo com o Índice e-bit/Pwc, calculado pela e-bit durante o período em que as compras natalinas foram efetuadas, a satisfação do consumidor se manteve próxima a 86%, sendo que o percentual de pedidos que teve todos os produtos entregues dentro do prazo prometido pelas lojas chegou a 77%.

 

 

Fonte: e-bit

Mulheres já representam metade no e-commerce

No ano 2000, as mulheres representavam cerca de 37% dos e-consumidores, hoje o percentual feminino já é de 50%, sendo que, em determinados períodos, elas ultrapassam o público masculino atingindo 51% do total de pessoas que compram pela rede, informa o site InfoMoney. Os dados são da 18ª edição do Web Shoppers, Raio-X do e-consumidor brasileiro, pesquisa realizada pela Câmara e-net (Câmara Brasileira de Comércio Eletônico).

De acordo com o estudo, o dia-a-dia da mulher moderna faz com que cada vez mais ela busque a internet como canal de compras, devido à facilidade e rapidez que as lojas virtuais oferecem.

Gastos
Entretanto, revela a pesquisa, apesar do crescimento, as mulheres ainda gastam menos que os homens nas compras virtuais. Nos seis primeiros meses deste ano, o valor médio das compras femininas na rede foi de R$ 272,00 enquanto que os homens gastaram R$ 375,00, 38% a mais.

Segundo o estudo, isso acontece porque as compras femininas estão concentradas em produtos de menor valor, como livros, Saúde e Beleza e Moda. Já os gastos masculinos são relacionados com produtos de informática e eletrônicos, que possuem maior valor agregado.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Vendas pela internet

O faturamento do comércio eletrônico no Brasil deve fechar o ano com crescimento de 35% sobre 2007, aponta relatório divulgado pela consultoria e-bit. De acordo com o levantamento, as vendas on-line devem atingir faturamento de R$ 8,5 bilhões.

A consultoria afirma que o resultado no comércio eletrônico está relacionado ao aumento no número de consumidores, que cresceu 42% de janeiro de 2007 a junho de 2008. ” Isso significa que as lojas virtuais conquistaram cerca de 3,5 milhões de novos compradores. Só no primeiro semestre deste ano o faturamento foi de RS 3,8 bilhões”, afirma a e-bit.

Atualmente, mais de 11,5 milhões de pessoas,segundo a consultoria, ja experimentaram comprar algum tipo de produto pela internet.”As principais vantagens que atraem os consumidores ao mundo digital são, as práticas de preços mais baixos, financiamento facilitado, frete grátis, facilidade de compra, além da praticidade em comparar preços de produtos”.

Outro ponto abordado pela e-bit para justificar o aumento das vendas pela internet trata da expansão das vendas de computadores no país.

Fonte: E-bit

Transações seguras pela internet

A internet tem se mostrado, nos últimos anos, uma ótima ferramenta para se adquirir produtos. Ela permite, por exemplo, que o consumidor faça comparação de preços e realize pesquisas detalhadas sobre funcionalidades dos produtos. E o melhor: tudo pode ser feito com apenas alguns cliques e em qualquer horário.

Não é à toa, portanto, que o comércio on-line brasileiro está aquecido. De acordo com a consultoria e-bit, as vendas pela Internet movimentaram 3,8 bilhões de reais no primeiro semestre de 2008, um aumento de 45% em relação ao mesmo período do ano passado. O número de consumidores virtuais também aumentou, indo para 11,5 milhões, um salto de 42% em relação aos seis primeiros meses de 2007.

Apesar de tantos números positivos, é comum o brasileiro ficar intrigado e ter algumas dúvidas no momento de realizar as compras. Afinal, como identificar se um site é realmente seguro? O que fazer para proteger senha e dados do cartão de crédito?

Não existe um manual de instrução. Mas, se colocadas em prática, algumas dicas podem propiciar resultados bem positivos. Vamos a elas: nunca acesse sites de comércio eletrônico ou internet banking através de computadores de terceiros; utilize sempre um computador pessoal com antivírus e certifique-se que o endereço apresentado em seu browser corresponde ao site que você realmente quer.

Além disso, não utilize links recebidos por e-mail e certifique-se que o site a ser navegado é seguro para, por exemplo, pagamentos on-line. O ideal é que a URL tenha protocolo HTTPS (HyperText Transfer Protocol Secure), ou seja, que comece por https://, diferente do habitual http://. Isso permite que os dados a serem transmitidos sejam encriptados e a autenticidade do servidor e do cliente pode ser verificada através de certificados digitais. O símbolo cadeado também é importante e deve estar presente na barra inferior da janela do browser ou, se for Internet Explorer 7, na direita da barra de endereços.

É aconselhável também não clicar em propagandas que prometem levá-lo a um determinado site. Prefira sempre digitar o endereço na barra do navegador quando quiser visualizar uma página específica. Mantenha também o browser sempre atualizado e com todas as correções aplicadas.

Vale configurar o programa de e-mail para não executar programas automaticamente; desconfiar de empresas que pedem depósito e não dão opção de pagar com cartão; e realizar transações somente em sites de instituições que considere confiáveis, preferindo lojas grandes e conhecidas. Sempre é recomendável não colocar senha ou dados pessoais em e-mails, mesmo que eles tenham sido enviado pela loja.

Tenha como hábito buscar no site informações de endereço físico da loja e dos telefones. Ao realizar a compra, atente-se ao prazo de entrega, formas de pagamento, fornecimento de nota fiscal, tempo de garantia e em que ocasiões o produto poderá ser trocado.

Certifique-se que essas políticas realmente existem e, por fim, tire todas as suas dúvidas no atendimento on-line, oferecido pela maioria das lojas. Aproveite esse espaço e questione sobre as características e funcionalidades do produto. Aumente a cautela quando as questões não forem respondidas. Depois dessas dicas, é só pesquisar, clicar o mouse e fazer boas compras!

Fonte: E-bit

Dicas para os lojistas venderem mais no Natal

No período de compras natalinas, que tem início no sábado (15/11) e vai até o dia 24 de dezembro, o comércio eletrônico brasileiro deve faturar 1,35 bilhão de reais, segundo a consultoria do e-bit. E já que comprar pela internet virou hábito de 7 milhões de brasileiros, de acordo com a Visa, é muito importante investir nessa data tão especial garantindo assim uma lucratividade maior no final do ano. Confira algumas dicas abaixo para potencializar as vendas em sua loja:  

1. Atendimento
Os clientes que compram nas lojas deixam suas impressões pela internet através de comentários nos órgão de defesa do consumidor. O atendimento prestado a esses clientes precisa ser satisfatório, por isso deixe visível o telefone de contato na página inicial de sua loja virtual para que o cliente possa entrar em contato para dúvidas ou elogios. O mais difícil não é conquistar clientes, mas sim manter-los!

2. Selos de qualidade
A idoneidade da loja é super importante, aconselhamos apresentar selos de qualidade. Estes selos garantem um o status de loja qualificada no mercado.

3. Layout de qualidade
Ele é o espelho de sua loja, trabalhe bem sua diagramação, equilíbrio de cores para não ficar carregado e manter o contraste perfeito. Confira sempre as campanhas do momento, veiculadas pelo shopping virtual MegaOmni.com para adequar sua loja e prepará-la para ter sucesso nas vendas.

4. Políticas de privacidade, segurança, troca e devolução
Tenha em sua loja as políticas de privacidade, segurança, troca e devolução preenchidas para que os clientes consigam acessá-las. Adicione um bom texto, a leitura é necessária para que o usuário entenda como o processo ocorrerá em caso de algum problema. A Lei exige que as empresas tenham políticas bem claras em seu site. Isso certamente aumentará a credibilidade da sua loja virtual. Tenha também em seu cadastro a opção de ‘opt-in’ ou ‘opt-out’ para que o cliente escolha se quer ou não receber ofertas da loja.

5. Opções de pagamento
É possível perceber a credibilidade de uma loja online quando chega a hora de pagar pelas compras.  Apresente aos seus clientes várias formas de pagamento e diversas bandeiras de cartão de crédito. As empresas são auditadas para a verificação de sua segurança antes de oferecerem estas opções.

6. Pagamento ‘intermediado’
Os ‘intermediários financeiros’ do Brasil são o Pagamento Seguro e o Pagamento Digital. Usando estes serviços, o lojista manda o produto para o cliente e só após seu recebimento o usuário avisa o serviço, que libera seu dinheiro para a loja. De um modo geral, estas lojas, por menores ou novas que sejam, podem ser consideradas confiáveis.
 
7. Imprima os dados da compra
Guarde todos os e-mails e as formas de contato com o cliente como os dados de transação. Isso é documento e pode ser usado futuramente.
 
8. Acompanhamento do pedido
No boom de vendas no fim do ano pode tornar o processo um pouco desorganizado. É interessante acompanhar o resultado final das entregas. As empresas com foco em e-commerce apresentam este serviço para os clientes.

Fonte: Omniblog

Crise econômica não afetou vendas no terceiro trimestre

Essa semana em entrevista ao Jornal Estado de São Paulo, o profissional do e-commerce Timotheo Barros, ressaltou que as vendas líquidas da companhia no comércio eletrônico não foram afetadas pelos efeitos da crise externa. Segundo ele, o perfil dos clientes de comércio eletrônico é de consumidores das classes A e B, por isso as compras no período se mantiveram estáveis. Barros ressaltou ainda que os preços de produtos eletroeletrônicos não devam sofrem reajustes até o termino de 2008. O executivo informou que as importações desses produtos aumentaram, antecedendo ao Natal, e isso aconteceu antes da valorização do dólar pelos efeitos da crise no mercado mundial.

Segundo ele, o crescimento do lucro líquido de julho a setembro, para R$ 26,9 milhões, foi o maior trimestral registrado pela companhia. Barros afirmou que o crescimento ocorreu com um aumento na base de clientes e do valor médio de compra (tíquete médio), além de ganhos de sinergia como a unificação das centrais de televendas e serviço de atendimento ao consumidor e padronizações de processos administrativos e operacionais. O diretor afirma que esses clientes compram num primeiro momento produtos de valores mais baixos, mas eles tendem a voltar a consumir com um tíquete médio maior. Ele salientou que a freqüência média de compras dos clientes dos portais da companhia é de pouco menos de duas vezes ao ano.

Semana do Empreendedorismo

Veja aqui mais informações sobre a Semana Global do Empreendedorismo, com a realização de palestras, workshops e cursos relacionados ao tema.

Com o propósito de oferecer condições adequadas a empreendedores que estão inovando, gerando emprego e renda, o Instituto Empreender Endeavor, organização sem fins lucrativos que incentiva a cultura empreendedora, está organizando a Semana Global do Empreendedorismo que acontecerá no Brasil e em mais de 75 países simultaneamente, entre os dias 17 e 23 de novembro.Programação: O movimento concentra, em uma semana, palestras, workshops e cursos relacionados ao tema, buscando despertar atitudes e vocações empreendedoras.
 
O Seminário “Na Rota para uma economia mais Empreendedora” será o evento inaugural da agenda nacional do movimento e abordará questões legais e mercadológicas de grande relevância para o meio empresarial, como:
 
– A regulamentação dos processos de terceirização no País: condição essencial para o desenvolvimento de novos negócios; a realidade atual do mercado e os projetos de lei em discussão.

– A liberdade de empreender com segurança jurídica: painel no qual serão debatidos aspectos legais e tributários de empresas de prestação de serviços profissionais e a relação Fisco-empreendedores.

– Apresentação de “cases” empreendedores, mostrando como foi empreender no cenário apresentado. 
 
Entre os palestrantes estão Everardo Maciel, Ives Gandra Martins, José Pastore, Carlos Sardenberg (ou Joelmir Belting), Luiz Robortella e empresários de destaque.
 
Quem deve participar?

Pequenos e médios empreendedores, representantes de entidades de classe, universitários, profissionais liberais, e afins.
 
Local:
Hotel Hilton Morumbi – São Paulo
Av. das Nações Unidas, 12.901
 
Data:

Dia 17 de novembro de 2008, segunda-feira, das 8h30min às 13h30min.

Mais informações: http://www.semanaglobal.org.br/

Fonte: SPTV