Arquivo mensal: abril 2009

10 lições que um vendedor precisa saber!

Antes de você sair por ai seguindo estas 10 lições que irei passar, tenha em mente que você deve conhecer os seus limites, saber quem você é realmente, qual é o seu objetivo de vida, aonde deseja chegar com todo o conhecimento que você adquiriu no decorrer de sua maravilhosa trajetória. A maior motivação que você deve ter para começar uma vida de sucesso e dar valor e amor para sua vida, por estar vivo e consciente de suas obrigações e objetivos.

Aproveitem estas dicas e tenha sucesso na suas vendas!

1. Seja Original
Seja inovador, utilize sua criatividade para marcar o cliente de forma sutil e encantadora. Atente-se aos detalhes, pois deles você pode tirar as maiores respostas sobre você e seus clientes.

2. Tenha Credibilidade
Seja sempre honesto, mas não só com o seu cliente, mas sim com você mesmo. Ter credibilidade não é apenas fantasiar uma verdade, mas sim mostrar quanto valor tem o seu caráter e palavra. Quando prometer algo, cumpra!

3. Seja honesto
Como digo no item acima ser honesto, parte do principio que você tem que ser verdadeiro consigo mesmo. Saber seus limites, saber quem realmente é esta imagem que se olha no espelho todos os dias. Partindo disto o seu cliente sentirá no seu olhar o quanto ele pode confiar em você. A honestidade não se prova, mas, sim, se sente.

4. Acredite
Primeiramente acredite em você! Acredite que você pode fazer a diferença, que você nasceu para isso, não siga os tolos que dizem “esta profissão não tem nada a ver com você meu amigo, procure outra coisa melhor”. Somente você sabe o que é melhor para sua vida e sucesso, você que irá definir! E claro não se esqueça de conhecer profundamente o que está vendendo, pois somente assim você irá acreditar no serviço ou produto que vende.

5. Conheça o que está vendendo
Conhecer o que esta vendendo não deveria ser nem uma lição e sim uma obrigação. Como você vai criar abordagens seguras de vendas se você não conhece o que está vendendo. Pesquise, pergunte, leia, corra atrás da história da sua empresa e de seus serviços ou produtos.

6. Conheça seu cliente
Conhecer nosso cliente é como conhecer nosso relacionamento com uma pessoa que amamos. Você tem que saber quais são os limites do seu cliente, o que ele realmente gosta, qual o horário ele está mais disposto para te receber. Saiba e tenha o nome dele sempre na ponta da língua e cuidado para não errar na hora de escrever o nome, isso pode acabar com sua venda, pois mostrará que não há nenhum respeito real entre você e ele.

7. Entenda as necessidades do cliente
Tira de sua cabeça que vendedor bom é aquele que vende geladeira para esquimó. O verdadeiro vendedor vai buscar quais são as reais necessidades do seu cliente e no caso do esquimó talvez fosse melhor vender um fogão a lenha ou um sistema de cobertor elétrico que funcione a bateria, pois você tem que identificar que, dentro de um iglu, pode não haver energia elétrica.

8. Trate bem seu cliente
Tratar bem seu cliente é garantir fidelidade dele por muito tempo, quem não gosta de ser tratado bem? 
É simples, se eu te dou um tapa, você me volta um tapa, se eu te dou um abraço você me devolve um sorriso e um abraço.

9. Antecipe-se
Procure saber qual é a melhor hora do dia para encontrar seu cliente e claro saber identificar também se ele está disposto ou não a te receber. Se for um cliente novo analise o seu empreendimento saiba exatamente se seu produto ou serviço vai realmente atender as necessidades dele. E nunca pressuponha que ele pode ou não gostar do que está vendendo, lembre-se você não é vidente!

10. Saiba ouvir
Vá pela natureza humana, Deus nos deu uma boca e DOIS ouvidos, ou seja, Escute mais, Pergunte mais e Fale pouco. Com esta última dica você poderá fazer uma sondagem mais aberta com o seu cliente e dar mar margens para uma sondagem mais fechada.

Lembre-se o sucesso esta em suas mãos. 
Fonte: Alexandre Stella | http://www.goodae.com.br

Cliente insatisfeito custa mais caro

Estamos tão acostumados com a velocidade com que tudo acontece ao nosso redor que não nos detemos para analisar cada mudança que ocorre em nosso mundo pessoal e profissional.
Algumas empresas que num passado recente pareciam fadadas ao sucesso, hoje não existem mais enquanto outras do mesmo setor deslancharam e ultrapassaram suas metas.

O nivelamento da qualidade dos produtos e de seus preços faz com que o principal diferencial responsável pelo sucesso comercial seja o atendimento dado ao cliente em todo o processo de venda: desde a simples consulta telefônica ou presencial até o período pós venda. Em cada fase deste processo existem verdadeiras “fotografias” que o cliente faz de nossa empresa, influenciando em sua decisão de continuar ou não a ser nosso cliente ou pior ainda, que faça boas ou más referencias de nossos serviços. 

Existem estudos que comprovam que um cliente satisfeito faz um marketing positivo para aproximadamente 4 pessoas enquanto um insatisfeito faz um marketing negativo para no mínimo 11 pessoas. Se em nossa operação existir ao menos uma fase que não atenda as expectativas do cliente, seu juízo de valor a nosso respeito irá proporcionar uma divulgação negativa de nossa atuação afastando clientes em uma escala geométrica.

A substituição pura e simples dos colaboradores, além de ser um processo caro e traumático resolve o problema paliativamente, mas o mal se repetirá se outras ações não forem tomadas. Para corrigir o marketing negativo já existente serão necessários altos investimentos que em muitas vezes são incapazes de reverter o quadro, portanto não podemos deixar que o problema se instale, sendo necessária a aplicação constante de métodos profiláticos.

Uma sugestão é a atenção redobrada na contratação dos colaboradores, somente colocando-o em campo após um sólido treinamento e principalmente que cada novo colaborador esteja alinhado e confortável com o planejamento estratégico da empresa, pois fora disto estaremos operando para o sucesso de nossa concorrência.

Fonte: http://www.administradores.com.br/

Recomendações para evitar a Ansiedade e o Stress!!

Tese de um pensador russo chamado Guerdjef. Ele traçou regras de Vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e Stress, em Paris – França. Dizem os experts em comportamento que, quem já consegue assimilar algumas delas, seguramente aprendeu a viver com qualidade de Vida!!!

1 – Faça pausas de dez minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você, analisando suas atitudes.

2 – Aprenda a dizer não sem se sentir culpado ou achar que magoou. Querer agradar a todos é um desgaste enorme.

3 – Planeje seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.

4 – Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam os seus quadros mentais, você se exaure.

5 – Esqueça, de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, em casa, no grupo habitual, por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua atuação, a não ser você mesmo.

6 – Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos!!!

7 – Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas.

8 – Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os, porque são pura perda de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes!!!

9 – Tente descobrir o prazer de fatos cotidianos como dormir, comer e tomar banho, sem também achar que é o máximo a se conseguir na vida.

10 – Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias. Espere um pouco e depois retome o diálogo, a ação.

Entenda, de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente: Você é Humano!!! E possui Sentimentos!!! Não se Sobrecarregue!!! Cuide-se Primeiramente!!! Pra Depois Cuidar dos Outros!!!
Fonte: Karin | karinpsicologa.wordpress.com

10 regras para o sucesso!

01. Acredite que você já obteve sucesso antes mesmo de você começar a tarefa. Aja, vista-se e fale não para quem você é agora, mas para quem você quer ser.  

02. Substitua afirmações negativas por frases positivas. Fale para você mesmo:
Eu sou uma pessoa excelente” 
Eu sou um sucesso”

Pratique isto antes de ir deitar todas as noites, e antes de se levantar, todas as manhãs. 

03. Assuma a responsabilidades das suas atitudes e da sua vida. Não se permita culpar os outros pela sua falta de sucesso. Mesmo que um acontecimento possa ter sido causado por outra pessoa, e isto está fora do seu controle, controle sua reação diante do acontecimento. 

04. Pense positivamente sobre todas as suas realizações, não importa quão pequenas elas possam parecer para as outras pessoas. Elas são os seus degraus para o sucesso. 

05. Formule uma missão por escrito e mantenha-a junto com você o tempo todo. 

06. Lembre-se de grandes histórias de sucesso e as dificuldades que essas pessoas tiveram que superar para realizar suas metas. Exemplos como o de Lars Grael, que mesmo perdendo a perna num acidente continuou a praticar exercícios e a competir, fazem os nossos problemas e tribulações parecerem pequenos diante da imensidão deste mundo. 

07. Quando você estiver aceitando um novo projeto, pergunte a si mesmo: 
“Qual é a pior coisa que pode acontecer?”.

08. Permita-se cometer erros. É um componente essencial de crescimento. 

09. Se esforce para ser o melhor que você puder, não o melhor do mundo. Porém, você pode descobrir que um leva ao outro. 

10. Ninguém nasce um ótimo doutor, um excelente advogado ou grande vendedor. Todos nós entramos neste mundo como bebês. Nós nos tornamos alguma coisa baseada nas escolhas que fazemos. Você pode escolher o sucesso.

Prof. Márcio Miranda
Fonte: http://www.sdr.com.br/Ideias/754.htm

Vendedor Rico X Vendedor pobre

O que muda entre um vendedor ser rico ou pobre é sua maneira de pensar, isto é, sua mentalidade. Essa é uma máxima que serve para todas as profissões do mundo e notadamente para essa pessoa muito especial chamada VENDEDOR.

A maioria daqueles que estão “empacados” com seus resultados tem uma programação passada que diz que essa é a maneira “normal” de ganhar dinheiro e em geral quando as coisas não vão bem, culpam o mundo.

A verdade em poucas palavras é a seguinte: As pessoas ricas no mundo não ganham salário, ganham comissões, participação em lucros, trabalham melhor a hipótese de risco. A primeira coisa que quebra a regra da riqueza é estabelecer um teto para o seu rendimento.

O vendedor rico quer possuir o melhor dos dois mundos. Como assim? Entre uma carreira de sucesso e mais tempo para a família, quer as duas coisas. Entre se dedicar aos negócios ou o lazer, também as duas coisas. Idem para dinheiro ou uma vida com sentido. Idem entre enriquecer e fazer um trabalho por puro prazer. Tudo é uma questão de mentalidade. Você é aquilo que pensa. Apenas ler não fará a diferença na sua vida, é preciso acreditar e colocar em prática, isto é, tomar posição, ter atitude. Ler agora é importante, mas o sucesso no mundo real vem com suas ações.

A partir desse ponto você fará novas escolhas… tomará novas decisões… E obterá novos resultados. A marca da riqueza é determinada por quanto o ser humano é capaz de dar e ajudar. Há 15 anos atrás um pesquisador da Universidade de Michigan fez uma pesquisa com 2 mil alunos sobre o que esperavam ser na vida sendo que 1800 responderam que queriam ficar ricos e apenas 200 disseram que queriam ajudar pessoas.

Há alguns meses esse mesmo pesquisador voltou à tabulação de todos aqueles dados e foi verificar o que aconteceu com essas pessoas e descobriu que 202 eram milionários. Sua surpresa foi muito grande quando descobriu que nesse time de 202 pessoas estavam todos os 200 que disseram que queriam ajudar pessoas.

Assim como em qualquer outra profissão, o que faz um profissional de vendas ser bom, se diferenciar da multidão, ser um verdadeiro campeão de vendas é sua forma de ser. Antes de tudo é alguém que desafia seus pensamentos, seus hábitos e não limita suas ações.
Se você deseja que a Terra seja um lugar melhor, então passe você mesmo a ser alguém melhor. O sucesso e a abundância da vida estão esperando por você.

Lembre-se, se você crescer e se tornar uma pessoa bem-sucedida em termos de caráter e de atitude mental, será um vitorioso e o seu sucesso será uma coisa muito natural. Ninguém nasce gênio… Se outros podem, você também pode.

Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!
Fonte: http://www.ceag.com.br/ver_boletim.php?id=236

Como Enfrentar (Estrategicamente) Uma Guerra de Preços

Em uma experiência realizada pelo Professor Bob Marks da Australian Graduate School of Management, participantes de uma palestra foram convidados a escolher um número entre zero e cem. Em seguida deveriam prever o número mais próximo de 2/3 da média dos números escolhidos pelo grupo. É natural imaginar que a média seria em torno de 50 e dois terços de 50 é 33. Entretanto, o número obtido foi 23.

O objetivo da experiência foi demonstrar que todos nós tentamos antecipar o que as outras pessoas estão pensando em fazer. Da mesma forma que os outros tentam antecipar o que nós estamos fazendo. Em um ambiente competitivo, como o de negócios, este comportamento tende a se acentuar.

Este simples exercício ilustra os aspectos emocionais que acabam gerando reações superdimensionadas em uma guerra de preços por exemplo. Apesar de que na maioria dos segmentos produtivos estamos percebendo um aumento da competitividade através de redução de custos, entrada de produtos importados, ganhos de produtividade e eficiência, e maior nível de exigência do consumidor, isso não significa que as empresas deveriam entrar em guerras de preços com tanta frequência. O resultado final de qualquer guerra de preços é uma destruição da lucratividade de todo um mercado.

Mantendo o Equilíbrio

A melhor maneira para evitar uma guerra de preços é conseguir que sua empresa mantenha o foco na estratégia escolhida e evite reações maiores do que as necessárias para combater um novo concorrente ou uma promoção muito agressiva da concorrência. Especialmente se sua empresa possuir uma estratégia de preços premium, provavelmente também possui marcas líderes no mercado, com clientes fiéis e que sustentariam boa parte de suas vendas até que a racionalidade voltasse ao mercado. Portanto, neste caso nem pense em iniciar uma guerra de preços que o maior prejudicado será seu próprio negócio. Lembre-se que ao educar o consumidor de que sua marca pode ser comprada por um preço muito inferior ao que estava estabelecido antes, o caminho de volta para um valor maior é muito difícil de se conseguir.

Outro aspecto que muitas vezes é idealizado pelo competidores maiores é que com uma guerra de preços os mais fracos sairão do mercado permitindo uma retomada de preços no futuro que recompense o sofrimento de uma guerra de preços. Entretanto, pesquisas demonstram que raramente guerra de preço é a razão que leva uma companhia a fechar suas portas. Ou seja, apesar de reduzir a lucratividade do mercado, empresas com produtos desejados pelos consumidores manterão suas atividades independentemente do estrago que a guerra de preço poderá causar em seus balanços.

Se Lutar for Inevitável

Infelizmente, em algumas situações, sua empresa será levada a entrar em uma guerra de preços para defender sua posição de participação de mercado. Nestes casos a recomendação é a seletividade. Não reaja com toda a sua força, ou seja, com toda sua linha de produtos em todas as regiões onde atua.

Analise bem onde o concorrente está fazendo o ataque e direcione seus esforços apenas onde for necessário. As táticas que poderão ser utilizadas nestes casos, incluem: descontos por quantidade, programas de fidelidade, desenvolvimento de marcas de “combate”, utilização de novos canais de vendas, entre outras. Notem que as sugestões acima são muito mais elaboradas que uma simples redução de preços. A razão para isso é que quanto mais sofisticada for sua reação, menor impacto você terá em suas marcas “premium”, e maior será a probabilidade de vitória.

Fonte: Quantiz

Como cuidar da postura em frente ao computador!

Muitas horas em frente ao computador podem causar dor em diversos membros do corpo. Má postura, movimentos errados e tensões são as maiores causas destas dores, que podem tornar-se lesões e provocar a chamada LER/DORT (Lesão por esforço repetitivo).

Os casos de LER/DORT aumentam a cada dia e, por isso, as empresas estão investindo em programas de prevenção para que os funcionários não sofram com a doença. Segundo o fisioterapeuta Leonardo Paschoal, “Os sintomas são dores, formigamentos, dormências, fraquezas, queimações, repuxamentos, entre outros, e podem se instalar lentamente sem que o indivíduo perceba”.

Muitas empresas oferecem aos seus funcionários a ginástica laboral, uma atividade física realizada na hora do expediente e orientada por um profissional do ramo, que tem por finalidade prevenir e melhorar o condicionamento do empregado no trabalho. E Leonardo concorda com a medida, “a ginástica durante a hora do trabalho diminui os impactos negativos originados dos esforços periódicos”.

O Ministério da Saúde e a Previdência Social possuem uma lista de doenças relacionadas ao trabalho e algumas delas podem ser enquadradas como LER/DORT, entre elas estão a tendinite de flexores e extensores dos dedos, a bursite do ombro e a síndrome do túnel do carpo.

Dicas de exercícios

Qualquer pessoa que passa muito tempo em frente ao computador deve se prevenir contra a LER/DORT e pode fazer isto de maneira muito fácil, realizando exercícios que melhoram as dores, acompanhe abaixo alguns deles:

  • Girar a cabeça lentamente, 4 vezes para cada lado.
    Inclinar a cabeça para frente, lentamente, e voltar a posição inicial.
  • Abaixar a cabeça e, com o apoio das duas mãos tentar aproximar o queixo do tórax.
  • Elevar os ombros, fazendo movimentos giratórios paar trás e para frente, 4 vezes em cada direção.
  • Com a mão atrás da cabeça, forçar o cotovelo para trás.
  • Segure uma das mãos e, com a outra, dobre-a para baixo, forçando-a suavemente. Agora, faça o mesmo dobrando a mão para cima.
  • Com as mãos unidas na altura do peito, abaixe-as para separar as palmas, deixando os dedos unidos.
  • Esticar os dedos, abrindo as mãos.

Colaborador: Sara Magro
Fonte: Cuide-se Bem

Não Venda Nada

“Eu não sei qual será o seu futuro, mas uma coisa eu sei, os únicos que serão felizes são aqueles que encontrarem uma maneira de ajudar os outros. Você não precisa ter MBA para ajudar. Você não precisa convencer os outros das suas verdades. Você precisa apenas de um coração cheio de graça e uma alma cheia de amor.” Autor desconhecido

Na próxima vez que você encontrar o seu cliente, NÃO VENDA NADA! Ao invés de empurrar coisas, APRENDA. Ao invés de vender coisas, AJUDE. Se a sua empresa for composta de bons profissionais de vendas, eles devem ter acordado hoje pela manhã com uma grande vontade de fazer dezenas de contatos com os seus clientes para vender os seus produtos e serviços.

Entretanto, 95% dos vendedores irão contatar os seus clientes e fazer a seguinte pergunta: “Você está precisando de alguma coisa?” e ponto final. – Ninguém pergunta mais nada! O grande problema é que se o cliente responder “Sim, eu estou precisando de X”, a empresa estará atendendo o cliente (e não vendendo de verdade). E se o cliente responder “Não, não estou precisando de nada”, a empresa não terá mais nada para falar.

Você já reparou também que a chamada “Pesquisa de Satisfação de Clientes” da sua empresa (quando existe pesquisa…) é incrivelmente egoísta? Em 98% das pesquisas de satisfação de clientes você irá encontrar perguntas do tipo:

  • Você gostou do nosso produto?
  • Você gostou do nosso preço?
  • Você está satisfeito com o nosso atendimento?
  • Qual parte do nosso serviço você mais se identifica?
  • Você tem alguma sugestão para dar a nossa empresa? e por aí vai.

Essas pesquisas se auto-denominam “pesquisas de satisfação”, mas eu pergunto, satisfação de quem?

  • Do cliente?!?!
  • Você tem certeza?!?!?!

As pesquisas de satisfação de clientes das empresas fabricantes de charretes, ferrovias, televisores preto & branco, etc., também apontavam um alto índice de satisfação dos seus clientes, mas… QUEBRARAM! “Quando você tem a atitude de falar somente sobre VOCÊ, VOCÊ, VOCÊ, você limita as chances de receber uma sugestão realmente importante para o seu negócio”. Se você quer saber se o seu cliente está realmente satisfeito, tenha a coragem para fazer perguntas do tipo:

  • Você realmente usou o produto que comprou?
  • Como você usou? (você irá descobrir que o cliente descobriu novas utilidades para o seu produto).
  • Aquilo que você comprou melhorou o desempenho da sua empresa? Como melhorou?,
  • O quê você vai aplicar imediatamente em sua empresa ou vida pessoal?

Se você quer realmente aumentar as suas vendas, no próximo contato com o seu cliente, NÃO VENDA NADA! Imagine-se sendo um médico e um paciente entra no seu consultório.

  • O que você faz? Você não olha para o paciente e automaticamente recomenda a ele que tome isso ou aquilo, certo?

Você primeiro faz perguntas sobre o seu estado de saúde, comportamento, histórico familiar etc., com objetivo de descobrir o que ele tem. Somente depois de conhecer o seu problema e suas REAIS necessidades, você “vende” alguma coisa. Remédios, computadores, carros, turbina de avião, serviços de consultoria…, não importa qual é o seu produto ou serviço. Não empurre nada, APRENDA! Não venda nada, AJUDE! 

Nós vivemos em uma época em que a grande maioria das pessoas e empresas estão muito centradas em si mesmas. “Nós queremos que os clientes confiem em nós, mas nós confiamos no cliente?”. É moda hoje em dia falar em “negociações ganha-ganha, parcerias, trabalho em equipe”, mas quando questionado com a seguinte pergunta: “Quanto a sua empresa espera crescer esse ano?”

  • Como você responderia? Como a grande maioria das empresas? Nós esperamos crescer 20% esse ano.
  • Ou como poucas e únicas?… Nós esperamos AJUDAR os nossos clientes a crescer 20% esse ano.

Não venda nada. APRENDA!
Não empurre nada. AJUDE!

Fonte: Ricardo Jordão | www.bizrevolution.com.br

Foco no Cliente

“Nas fabricas nós produzimos cosméticos… Nas lojas nós vendemos esperança!” Charles Revlon.

As pessoas podem duvidar do que você diz, mas acreditarão no que você faz! Ter foco é saber trabalhar no trato, no atendimento, conquistar pelas diferenças. O encantamento existe quando o cliente percebe que lhe foi prestado um serviço bem melhor do que está acostumado a receber.

Isso é FOCO: Uma empresa de sucesso sabe que o profissional de vendas faz a diferença quando se relaciona com clientes, dá pessoalidade e eficiência no atendimento. O equívoco é as pessoas pensarem que agir assim tem que ser somente o pessoal de vendas.

Uma empresa não é um departamento, uma unidade. O sucesso acontece quando todos são vendedores, do porteiro ao presidente, com os mesmos ideais, objetivos e metas. Alguém aí lembra da TAM dos tempos do Rolim?

Parece uma coisa tão batida e debatida… Mas o sucesso de qualquer negócio passa pela simplicidade de atendimento e encantamento de pessoas. O mercado é como um eco e vai lhe responder como você lhe abordou.

Se você trabalhar pelo caminho do amor e da motivação, o retorno será de vendas maiores, lucro alto. Se você trabalhou pelo caminho do ódio, da raiva, da desconfiança o mercado lhe devolverá na mesma moeda.

Uma pessoa que não tem um ideal, nem um guindaste a tira de manhã cedo da cama. O grande ideal das empresas vencedoras, felizes e de sucesso é ajudar pessoas, ajudar clientes. Lembre-se, as pessoas são 100% emoção. Negociam com você com base na imagem que tem de você e esta depende da forma como é o seu relacionamento com elas, com o mercado.

Seu trabalho é sua marca. Sua vida é sua marca!

Uma boa semana, um forte abraço e fique com Deus!

Fonte: Gilclér Regina | www.ceag.com.br

Ser ou Não Ser Líder, Eis a Questão

Nem todo mundo nasceu para ser líder. E isso não tem a ver com dom ou qualquer outra prerrogativa de cunho genético ou espiritual. A questão é que há pessoas que simplesmente não querem ser líderes. Agem de forma consciente ou inconsciente contra o papel da liderança. Não se sentem “tocadas” com o espírito da liderança. 

Liderar significa correr riscos. Esta ação gera medo em certas pessoas. Ter de assumir uma posição é algo incômodo, pois gera ansiedade, dúvida, insegurança. Há indivíduos que preservam mais do que tudo sua sensação de segurança e assumir o papel da liderança é exatamente quebrar este equilíbrio. 

Há vários exemplos de pessoas que eram excelentes técnicos, e ao serem içados a uma posição de liderança tornaram-se fracassos absolutos. Como recusar uma promoção? Eis aí um grande dilema para tantas pessoas no mundo corporativo moderno. 

Até o início dos anos 80 era muito presente no ambiente profissional a velha máxima: para ser líder, gerente ou diretor é preciso ter tempo de casa. Dali até os dias atuais vemos cada vez mais este tipo de pensamento e atitude corporativa sendo extinta. No mundo competitivo atual não há mais espaço para protecionismos, mas para competência. 

O grande erro que se cometia era o de promover à liderança aquele mais antigo. Hoje o erro continua, mas de outra forma. Promove-se aquele que é muito competente no que faz. O ponto crucial é a não observação de que há diferenças entre a competência técnica e a competência da liderança. 

Apesar do exercício da liderança exigir método, rotina, conhecimento e outras habilidades técnicas, atuar como líder exige muito mais do comportamento do indivíduo, do que o tempo de casa ou sua capacitação acadêmica e profissional. Por isso, é possível encontrarmos excelentes Engenheiros ocupando o papel de liderança e Administradores e Psicólogos sendo péssimos líderes. Não basta ter a capacitação técnica apenas; é preciso ter o preparo comportamental, mas principalmente a vontade de liderar. É necessário ter identificação com o papel da liderança. Saber que ao assumir esta posição o indivíduo lidará com uma atividade que vai além daquela que aprendeu na universidade. 

Por isso, é preciso ter coragem para liderar. É fundamental que a pessoa faça o exercício solitário de pensar em si como um líder e todas as suas implicações. O que irá ganhar e perder; analisar se está preparado para as novas pressões que irá sofrer e como poderá lidar como elas. Entender que esta nova posição irá exigir muito mais do que conhecimento técnico, mas preparo pessoal para lidar com um fator intangível: o ser humano. 

Não há demérito em não ser líder. Imagine se o mundo fosse repleto de líderes, como conseguiríamos viver? Há espaço para todos, líderes e liderados. Pense em si mesmo e o que te faz bem. Como gosta de trabalhar? Prefere estar à frente de tudo ou executando suas atividades? Gosta de tomar decisões e planejar estratégias ou prefere analisar, pesquisar ou executar o trabalho? Note que é possível agir como um líder em diversas situações do dia-a-dia. A diferença de assumir um cargo ou posição de liderança é que isso será constante, e nem todos se dispõem a assumir este papel. 

A sociedade atual por vezes induz os indivíduos a assumirem uma posição que não lhes diz respeito. Por isso, clarifique para si mesmo o que quer. O que te faz bem. Ao perceber que a atuação como um líder é algo instigante, desafiador, enriquecedor, vá em frente: prepare-se, estude, pratique, mas tenha a humildade para saber reconhecer no meio do caminho se é isso mesmo o que você quer. Há momentos quando precisamos recuar para avançar. Há situações que é melhor esperar, analisar e aprender, para depois seguir em frente. Agora, se perceber que isto não é para você, seja o melhor naquilo que buscar fazer. Sucesso! 

Fonte: Rogério Martins| www.administradores.com.br